A INDEPENDÊNCIA DOS ESTADOS UNIDOS

 

1. A colonização inglesa na América

 

  • as primeiras tentativas de colonizar os seus territórios na América ocorreram no século XVI, mas fracassaram
  • a partir do século XVII, a atividade colonizadora ganhou força através das companhias de comércio: organizaram a migração de colonos para a América

          - imigrantes de origens variadas: desde famílias burguesas perseguidas por sua religião, até camponeses miseráveis que foram expulsos de suas terras

          - além de ingleses, migraram também irlandeses, escoceses, franceses e alemães

  • foram criadas 13 colônias (divididas em colônias do Norte, do Centro e do Sul) em uma grande faixa de terra no litoral leste da América do Norte

 

2. As 13 Colônias

 

a) As Colônias do Norte

  • foram povoadas, em grande parte, por PURITANOS: calvinistas ingleses que migraram para a América do Norte para fugir das perseguições religiosas na Inglaterra

          - nessas colônias, a sociedade era dominada por líderes puritanos

          - a economia era baseada na pequena propriedade familiar: agricultura e pecuária para o sustento dos colonos e o comércio da produção excedente

  • atividades mais lucrativas: a pesca e a caça

          - peixes eram salgados e exportados

          - peles de animais eram beneficiadas e vendidas entre os colonos ou exportadas para a Europa

  • outras atividades: extração de madeira, construção naval, produção de utensílios agrícolas e fabricação de tecidos

b) As Colônias do Sul

  • teve início com a fundação de Jamestown, na Virgínia
  • clima mais quente e a qualidade do solo eram bons para a produção de tabaco, cana-de-açúcar e algodão

          - economia: baseada na monocultura em grande escala para o mercado externo

 

3. O comércio triangular

 

  • as atividades comerciais estabelecidas entre a Inglaterra, as colônias da América do Norte e a África, formavam uma rede de trocas interdependentes:

          - a África fornecia a mão de obra escrava para as 13 colônias

          - a matéria-prima produzida nas 13 colônias era enviada para a Inglaterra que a transformava em produtos manufaturados

          - esses produtos eram enviados para as 13 colônias para serem vendidos e para a África para serem trocados por escravizados

 

4. O processo de independência das 13 colônias: a insatisfação dos colonos com a intervenção do governo britânico nas colônias provocou o processo de independência

 

a) A Guerra dos 7 Anos

  • esse conflito envolveu vários países europeus e também as suas colônias na América e na Ásia

          - Inglaterra: aliou-se à Prússia (no século XIX foi incorporada à Alemanha) para enfrentar as forças francesas, austríacas, suecas e russas

          - a disputa por áreas coloniais na América e na Ásia, entre a Inglaterra e a França, fez com que o conflito entre os colonos franceses do Canadá e os colonos ingleses das 13

            colônias começasse antes mesmo dos conflitos na Europa

  • na América, os ingleses foram vitoriosos e receberam da França o Canadá francês e a Flórida espanhola

          - as colônias inglesas se viram livres da ameaça de um ataque francês ou espanhol em suas fronteiras

b) As consequências do conflito

  • mesmo vitoriosa, a Inglaterra enfrentava dificuldades financeiras por causa das despesas da guerra
  • para aumentar a arrecadação e pagar as dívidas, o governo inglês aumentou a intervenção econômica nas 13 colônias
  • para reforçar a sua política mercantilista (Mercantilismo), a Inglaterra impôs uma série de leis (Acts) que causaram grande descontentamento entre os colonos:

          - LEI DO AÇÚCAR (Sugar Act, de 1.764): determinava que os colonos deveriam comprar o melaço e o açúcar apenas das Antilhas inglesas (para evitar o contrabando) e fixava

            tarifas (impostos de importação) sobre outros produtos importados pelos colonos

          - LEI DA MOEDA (Money Act, de 1.764): proibia a emissão de papéis de crédito usados como moeda nas colônias, restringindo sua autonomia financeiras

          - LEI DO SELO (Stamp Act, de 1.765): determinava que fossem “selados” (cobrados impostos) todos os documentos oficiais, declarações, jornais e demais publicações feitas nas

            colônias

 

5. O massacre de Boston (março de 1.770)

 

  • ocorreram vários protestos dos colonos por causa da imposição das leis inglesas, em várias cidades

          - BOSTON (Massachussetts): uma multidão de colonos protestava contra as novas leis e recebeu tiros de soldados ingleses, com cinco mortos e vários feridos

          - esse incidente acabou servindo de propaganda revolucionária contra a Inglaterra

  • no mesmo momento do tiroteio em Boston, sob a pressão dos colonos, a Inglaterra revogou a maioria das leis, com exceção da que incidia sobre o comércio de chá

 

6. A Festa do Chá de Boston

 

  • em 1.773, o governo inglês concedeu o monopólio do comércio do chá na América para a Companhia das Índias Orientais
  • em protesto, os colonos de Boston, disfarçados de indígenas, invadiram os primeiros navios carregados de chá que chegaram no porto e jogaram a sua carga na água

 

7. As Leis intoleráveis e o Primeiro Congresso Continental

 

  • como represália às manifestações dos colonos, a Inglaterra decretou as “Leis Intoleráveis”:

          - fechamento do porto de Boston até que os colonos pagassem os prejuízos causados pela “Festa do Chá”

          - intervenção em Massachussetts, que foi transformada em colônia real

          - restrição do direito de reunião entre os colonos

  • os colonos se reuniram ilegalmente em uma assembleia, formando o Primeiro Congresso Continental, organizado na Filadélfia (Pensilvânia), em 1.774

          - participação de representantes de todas as colônias, com exceção da Geórgia

          - primeira medida: criação de uma Associação Continental com o plano de não importar e nem consumir produtos ingleses, além de proibir a exportação de produtos para a

            Inglaterra

          - resultado: grande redução das importações de produtos ingleses, mostrando a eficiência da Associação como instrumento de pressão econômica e política